ASP - Associação de Surdos do Porto

Início

Pedido de Informações

Contactos

Pesquisa

| 26 Maio 2017  | 2016/2017 - PARA OUVINTES - CURSOS DE LGP - VER INFORMAÇÕES NA SECÇÃO "CURSOS DE LGP PARA A COMUNIDADE OUVINTE"     2016/2017 - PARA OUVINTES - CURSOS DE LGP - VER INFORMAÇÕES NA SECÇÃO "CURSOS DE LGP PARA A COMUNIDADE OUVINTE"     2016/2017 - PARA OUVINTES - CURSOS DE LGP - VER INFORMAÇÕES NA SECÇÃO "CURSOS DE LGP PARA A COMUNIDADE OUVINTE"     

Qualidade

Departamento de Formação Profissional

CIPS - Centro de Integração Profissional para Surdos

Cursos de LGP para a Comunidade Ouvinte

Quem somos? O que fazemos?

Notícias e Informações

Informações em LGP

Os desenhos do Goulão

Porto a Cidade que amamos

A Surdez

Atividades (Plano e Relatório) e Contas (Orçamento e Relatório)

Ai que Saudades...

Comissão Provisória de Gestão

Cultura Surda

Cultura, Lazer e Juventude

Desporto

Diversos/Informações

Educação

Estatutos da ASPorto

Funcionários

Histórias de Vida

Legislação

Língua Gestual

Seniores Surdos

Surdez Cegueira

Ctilg

Reforma da Educação Especial

Profissionais da Educação Especial contra novo diploma


JN - Sociedade - 17/02/2004
 
Participantes em plenário nacional dizem que alterações deixarão milhares de alunos sem apoio
 
Professores e educadores de educação especial repudiaram ontem, num plenário nacional, em Lisboa, o ante-projecto de Decreto-lei do Governo para a Educação Especial e o Apoio Sócio Educativo.
 
Promovido pela Federação Nacional dos Professores (FENPROF), o plenário nacional, que se realizou no Instituto Franco-Português, reuniu cerca de 150 educadores e professores, de acordo com os organizadores.
 
Numa resolução da FENPROF, aprovada por unanimidade, os participantes classificam o documento do Ministério da Educação como uma contra-reforma da Educação Especial que deixará milhares de alunos sem apoio.
 
No entender da Federação, o documento governamental permite que nem todas as escolas podem ser inclusivas, "o que implica que um aluno com necessidades educativas especiais pode ser obrigado a matricular-se fora da sua área de residência".
 
Ainda segundo a federação, as crianças e jovens podem, agora mais facilmente ser segregadas em instituições de educação especial e podem ser encaminhados, precocemente, para a vida activa.
 
Relativamente aos docentes, a federação defende que o objectivo do ministério é reduzir, desregulamentar e controlar.
 
O ante-projecto do Governo, cuja discussão pública terminou Sábado, é na opinião da Fenprof, "um verdadeiro atentado contra a escola pública, democrática, de qualidade e inclusiva, que, ser aprovado e publicado, representaria um tremendo retrocesso ao instituir, na escola portuguesa, a exclusão como regra e a inclusão como excepção".
 
Depois da aprovação da resolução, os docentes e educadores desfilaram até ao Ministério da Educação, onde entregaram o documento.

Imprimir este artigo          Enviar este artigo por email

 

 

© 2003 - 2017 Associação de Surdos do Porto